emocional-afeta-na-alimentação-paola-brescianini

Como o emocional afeta na alimentação

Eu já tinha ouvido falar sobre como o nosso emocional afeta na alimentação. No entanto, a gente só tem certeza de uma coisa quando vive na pele, não é mesmo? Nos últimos tempos, percebi a maneira como nossa mente é capaz de controlar tudo, inclusive o que comemos. 

No meu caso, e o de muitas pessoas, a ansiedade é o estado emocional definitivo para comer mais. Quando estou ansiosa sinto a necessidade de ingerir o máximo de alimentos possíveis, nesse momento, eu não estou usufruindo da comida e, sim, apenas suprindo uma necessidade emocional. 

giphy

Sabe quando comemos apenas para mastigar e “preencher” algo dentro de nós? Eu sinto isso de vez em quando. E percebi um detalhe: a maioria das vezes que essa situação acontece, estou sozinha, portanto, minha mente começa a trabalhar, a pensar em mil coisas ao mesmo tempo – gerando a ansiedade – e, por fim, não tem ninguém ao lado para guiar a minha atenção para outra coisa.

Portanto, ao avaliar o que me levava para esse estado, busquei soluções. Eu evito ficar sozinha sem fazer nada, dessa maneira, a minha mente não tem tempo para tornar-se minha inimiga. Então, ligo para alguma amiga, procuro conversar, sair, me distrair ou até mesmo colocar o som no último volume e dançar como se estivesse na última festa da minha vida.

Caso contrário, se eu recaio com a ansiedade e como até passar mal, me arrependo em seguida e o pior: o meu corpo se entrega de uma maneira que é impossível esquecer da recaída, fico inchada e com um mau-estar incontrolável durante horaaaas.

“O que pensamos gera emoções, mas o que comemos também gera emoções”. – Montse Bradford –

Outro caso que acontece comigo é perder a fome quando estou extremamente triste e para baixo. Eu tenho a sensação de um embrulho na minha garganta e parece que nada vai passar por ali. Contudo, para muitas pessoas acontece o contrário: a tristeza é uma válvula de escape para comer mais e, assim, como eu disse antes, “preencher” um certo vazio.

Conclusão: muitos dizem que não conseguem seguir uma dieta, pois são fracos. Entretanto, a minha teoria é diferente. A dificuldade de seguir um planejamento alimentar, geralmente, vem do emocional.

Minha dica é: pare e pense o que te afeta, quais são os sentimentos que te levam a comer mais ou menos? Por fim, busque ajuda psicológica. Eu acredito que todo mundo deveria fazer terapia, pois essa é uma das melhores maneiras de se autoconhecer e, assim, evoluir como pessoa em todos os sentidos.

Você se identificou com essas situações? O que faz para não abusar dos alimentos em momentos de ansiedade ou tristeza? Conta para mim nos comentários! <3

 

 

Paola Brescianini

Sou formada em Mídias Sociais Digitais e apaixonada por descobrir coisas novas. Há alguns anos, me tornei adepta à vida saudável, e aprendi incríveis informações sobre esse universo. Criei este espaço para compartilhar com você todo o meu conhecimento! ❤

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *